Pesquisar este blog

9.12.11

Trifecta

Num curto espaço de tempo, o governo Dilma soltou, diretamente ou por conivência com o congresso, três coliformes de vulto: o novo código florestal, a neutralização da lei antihomofobia, e o programa nacional contra o crack. O primeiro acaba com garantias contra o desmatamento que até estados feudais tinham, o segundo não tem muito efeito mas significa uma capitulação aos preconceituosos pseudo-religiosos (algum deputado da "bancada católica" votou contra o código florestal, como recomendado pela igreja?), o terceiro é a reabertura dos manicômios, para se isolar os doidos dos olhares de gente de bem(ns).

Não, não estou arrependido de ter votado na Dilma. Porque votei mesmo foi contra o Serra, e ele pregava todas as três coisas na campanha. Ombro a ombro com Silas Malafaia, Kátia Abreu, e Jair Bolsonaro. Mas que dá raiva, dá. A desculpa sempre é a necessidade de preservar o capital político para votações importantes, mas que votações importantes seriam essas? Até o Obama, que também usa essa desculpa, passou o seu plano de saúde pelo Congresso, mas não vejo nada além do ramerrame banal de orçamento, DRU, e outras cotianidades ser tentado pelo governo Dilma. Sem jogar (mesmo admitindo a possibilidade de derrota) por nenhuma bandeira, o PT dá razão à acusação de que sua única função no poder é manter-se no poder.

Do código florestal já falei bastante. Mas para explicar as outras duas indignações:

Não há nada de concreto no evisceramento do PLC 122 que me preocupe. Pelo contrário, A) mesmo neutralizado pela cláusula que permite a homofobia religiosa, ele continua sendo mais estrito do que a realidade hoje, e B) eu não acho que a criminalização do preconceito seja uma forma eficaz de lutar contra ele. Estamos comemorando os sessenta anos da lei Afonso Arinos, que proíbe o racismo, e continuamos tendo elevadores de branco, o crime de dirigir enquanto preto, cabelos ruins, e uma diferença salarial entre pretos e brancos maior do que a americana. Mas se nãoé um problema concreto, é uma sinalização - como tantas outras - de capitulação à bancada evangélica. O que os evangélicos mandarem, que não seja contra a CNA ou a Fiesp, o governo fará. E a esse povo, como aos ruralistas, o poder subiu a cabeça. Cada vitória deixa eles mais radicais, ao ponto de daqui a pouco o MEC ter que ensinar criacionismo nas escolas. (Seria irônico o primeiro museu de ciências de grande porte do Brasil ser criacionista... ok, tô exagerando.)

Sobre o plano de combate ao crack: ele não é mais do que o higienismo de tirar os indesejáveis das ruas. Internação compulsória não ajuda em nada os malucos (e toxicômanos são uma categoria de maluco), só atrapalha. Por isso que o Brasil, entre outros países, eliminou os manicômios ao longo dos anos 90, culminando na lei Paulo Delgado, de 2001. Por isso que a verdadeira função desse plano não é ajudar os craqueiros, mas sim retirá-los das vistas alheias. O neo-amigo Kassab agradece a ajuda para seu plano de valorização imobiliária da região da Luz. E o complemento do plano é uma intensificação da guerra às drogas, num momento em que até o presidente da Colômbia (um dos marechais dessa guerra no mundo, portanto) está questionando ela.

Anfã.

3 comentários:

Marcus Pessoa disse...

Concordo em linhas gerais com o que você escreveu, mas, no caso do projeto de lei anti-homofobia, a responsabilidade pelas concessões é da Marta, e não do governo, que não está se metendo no assunto.

E eu acho que a Marta conhece o suficiente o Congresso para saber o que pode ou não ser aprovado. Ela está tentando aprovar um texto. Nesse sentido, acho que as críticas que têm sido feitas a ela são exageradas.

Tiago Thuin disse...

Um homem peca por atos, palavras, intenções, e omissões. O governo Dilma tem, teoricamente, uma base grande o bastante, mesmo contando apenas PT, PSB e PCdoB, para pelo menos se contrapôr à força da bancada fundamentalista.

Marcus Pessoa disse...

Mas a Dilma não tá nem aí pra isso. Muito pelo contrário, aliás.